segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Disquisição na insônia:

" Que é loucura; ser cavaleiro andante
Ou segui-lo como escudeiro?
De nós dois, quem o louco verdadeiro?
O que, acordado, sonha doidamente?
O que, mesmo vendado,
Vê o real e segue o sonho?
Eis-me, talvez, o único maluco,
E me sabendo tal, sem grão de siso,
Sou - que doideira - um louco de juízo."

Carlos Drummond de Andrade sobre Dom Quixote.
(Este eu ofereço carinhosamente ao Hud... Esperança e coragem, meu rapaz! Se Deus quiser ainda vamos rir muito nesta vida, ouvindo uma boa música e tomando uma nos Arcos da Lapa, ou aqui em Sampa, ou quem sabe até mesmo em Brasília...porque para Ele nada é impossível!)

3 comentários:

Deia disse...

rs
A loucura de Dom Quixote é muitas vezes mal interpretada; que bom ver Drummond fazê-la feliz.
Grazi, a grande maravilha da loucura é fazer-nos menores que os outros, e num salto gigantesco, numa ordem que confunde os sábios, cair direto nos braços daquele que nos criou.
Nos últimos tempos tenho orado com nosso Padroeiro, e São Paulo tem-me ensinado a loucura que salva! A mesma loucura de Francisco!
Oremos pela santa insanidade!

Hudson Nogueira disse...

Poxa que legal! Fiquei muito feliz em vc me oferecer um poema de Drummond. É uma definição de felicidade e coragem: "acordado, sonhar doidamente e, mesmo vendado,ver o real".
Confesso que me dá até um pouquinho de medo "acordado, sonhar doidamente" =) Dá um frio na barriga. Mas como vc escreveu, uma mesa de bar esta reservada, na Lapa, na Avenida São João, na Praça dos Tres Poderes, no Pelourinho, em Paris, Roma, Lisboa... rsrsr é por aí vai! Cidadãos do mundo!

Subamos, subamos, subamos.
Hud

Grazi disse...

:)