quinta-feira, 12 de junho de 2008

O dom do Simples


O dom do que o Simples dispensa se esconde na inaparência do que é sempre o mesmo.
Aos desatentos o Simples parece uniforme.
A uniformidade entedia.
Os entediados só vêem monotonia ao seu redor.
O Simples desvaneceu-se.
Sua força silenciosa esgotou-se. Perdemos quase completamente a capacidade de admirar-nos, fascinar-nos, maravilhar-nos com o Simples.
Perceber no comum e no diário aquilo que é incomum e não diário, o "mirandum", eis o princípio do filosofar.
Nesse ponto o ato de filosofar se assemelha à poesia...a contemplação é um conhecimento com amor.
É a visão do Ser amado, que nos maravilha, fascina e encanta.
Paz a todos!

Um comentário:

Leandro Souza disse...

Paz minha querida Grazi.

Meus parabéns pelos seus dois últimos textos, não desmerecendo os outros, mas, esses dois últimos realmente pintaram um quadro imaginariamente tocável em minha cabeça - magníficos.
Parabéns.

Abraço de urso e que o Altíssimo(louvado seja) abençoe e proteja seu lindo coração.
Até breve,
Lê :-D